terça-feira, 12 de junho de 2018

Geri Allen

(Pontiac, Michigan, 12 de junho de 1957)


Versada em uma variedade de estilos de jazz moderno, do bop ao free, Geri Allen foi a quintessência do que um pianista moderno de jazz deveria ser. Muito pouco a separava de seus modelos mais óbvios, Keith Jarrett, Herbie Hancock e Bill Evans, os principais entre eles, mas Allen tocava com um dom espontâneo que transcendia a imitação mecânica. Seu estilo de improvisação era em vários momentos ao mesmo tempo denso, alegre e percussivo, o que se esperava popularmente de um músico de jazz de sua geração. Geri Allen foi outra mulher a impor seu nome entre os mais respeitados e requisitados pianistas dos anos 80. Naquela época, com pouco mais de 30 anos, ela já tinha conquistado a crítica especializada por sua atuação em quatro álbuns. Compositora e educadora de renome, ela ocupava, nos últimos anos, o cargo de diretora de JazzStudies da Universidade de Pittsburgh. Como pianista, não escondia a influência do legado de Thelonious Monk e McCoy Tyner.

Plaza de la Trinidad, San Sebastián, 1995

Geri Allen - piano
Ron Carter - baixo
Lenny White - bateria

Geri Allen - 1, 2, Goodbye

Nenhum comentário:

Postar um comentário