domingo, 25 de março de 2018

Aretha Franklin

(Memphis, 25 de março de 1942) 


Aos 14 anos, Aretha gravou pela primeira vez música gospel e fez algumas turnês de divulgação. Com 19 anos, mudou-se para Nova York e lançou algumas músicas. A voz impressionava a todos, mas em seis anos, ela emplacou apenas um álbum. Mudou de gravadora e de estilo musical, começou a cantar soul. O lançamento de ‘I Never Loved a Man (The Way I Love You)’ colocou Aretha no topo. Com isso, montou uma banda profissional, gravou uma versão de ‘Respect’ de Otis Redding e se tornou um símbolo da música negra, símbolo da própria América negra, refletindo o orgulho dos afro-americanos, numa década onde triunfavam os movimentos dos direitos civis da comunidade negra. Escolhia suas canções com consistência e criatividade e foi aclamada como ‘Lady Soul’. 

Mesmo passando por problemas pessoais, no início da década de 70 conheceu um sucesso ímpar, no final da década o cenário de sucesso da cantora mudou. Sua inspiração começou a desvanecer e com músicas orientadas para o pop deixou de ser estrela. A década de 80 foi a da virada na carreira, estreou nos cinemas, e o filme ‘The Blues Brothers’ a apresentou a um público mais jovem. Voltou às paradas musicais e ao Grammy. Nos anos seguintes, os seus discos quando comparados com os da fase anterior à década de 70 parecem incoerentes, uma voz magnífica desperdiçada em material medíocre acompanhado por produções pobres, mesmo quando houve alguma tentativa de ressurgimento às suas raízes soul. Entretanto, Aretha Franklin gera enorme respeito, mesmo para aqueles que não a apreciam.

Aretha Franklin - I Apologize

Nenhum comentário:

Postar um comentário